Livro com empoderamento negro faz sucesso e Fox negocia filme

filhosdesangueeosso_1
A mitologia iorubá é o fio condutor de Filhos de sangue e osso, que marca a estreia de Tomi Adeyemi na literatura. Graduada em literatura inglesa em Harvard, a escritora norte-americana de origem nigeriana recebeu uma bolsa para estudar cultura africana em Salvador, na Bahia, onde se inspirou a criar um universo de fantasia onde a magia dos orixás corre o risco de se perder para sempre. O livro abre a trilogia O legado de Orïsha e conta a história de Zélie, uma jovem disposta a lutar contra a opressão sofrida por seu povo. Considerado um dos grandes lançamentos do ano nos Estados Unidos, Filhos de sangue e osso ocupa as principais posições do ranking dos mais vendidos do The New York Times desde o lançamento, há 28 semanas, e já chega ao mercado com adaptação negociada para o cinema pela Fox e publicação em mais de 25 países.
Em um mundo similar à África subsaariana, Zélie se lembra de quando o solo de Orïsha zumbia com a magia. Tudo mudou quando o rei Saran varreu do mundo a magia, e seus guardiões, os maji. Filha do casamento entre uma mulher maji e um homem kosidán, Zélie viu a mãe ser assassinada quando tinha apenas seis anos. O tirano rompeu a ligação dos humanos com as deidades e a Mãe Céu, criadora de tudo, e ordenou o assassinato de todos os maji do reino. Nem seu pai, que carregava o sangue da elite do Reino de Orïsha, conseguiu impedir a morte da esposa.
Mas Saran não contava com a força dos oprimidos. Ao longo dos anos, coube à Mama Agba preservar, às escondidas, a cultura dos maji, ainda que a magia não estivesse mais presente entre eles. Quando Amari, a filha do rei, rouba um objeto que pode guardar a chave para recuperar os poderes dos maji, Zélie e o irmão Tzain se juntam a ela em uma jornada perigosa. A missão passada pelos deuses é reunir três artefatos e levá-los ao Templo Sagrado. Caso o trio falhe, a magia estará perdida para sempre.
Em uma narrativa ágil e emocionante, Tomi Adeyemi aborda temas como cultura africana, a força da ancestralidade e o protagonismo das mulheres e dos negros. Embora seja uma trama de ficção, Filhos de sangue e osso funciona como metáfora para questões sérias como racismo e o medo do que é diferente. Deixe-se envolver pela energia dos orixás e descubra a magia guardada nas palavras da autora.
Sobre a autora
Tomi Adeyemi, 24 anos, é uma autora nigeriana-americana e coach de escrita criativa que vive em San Diego, Califórnia. Depois de se graduar com honras em Literatura de língua inglesa pela Universidade de Harvard, estudou mitologia, religião e cultura africana em Salvador, no Brasil.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s