Para que um dia do Sacerdote e da Sacerdotisa de Religiões de Matrizes Africanas?

No dia 27/02/2019, foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal,  a lei que incluiu no calendário oficial da Capital, o “Dia do Sacerdote e da Sacerdotisa de Religiões de Matrizes Africanas”, a ser comemorado anualmente no dia 24 de novembro. A lei é de autoria do deputado distrital Cláudio Abrantes. Essa data já existe na Bahia, Rio de Janeiro e Alagoas.

Mas porque instituir um dia dos sacerdotes de matrizes africanas? É privilégio?

Explico…

As religiões de matrizes africanas são as que mais sofrem violência por intolerância religiosa e racismo religioso. Sacerdotes dessas religiões tem seus templos quebrados, incendiados, são ameaçados, alguns já foram assassinados simplesmente por professar uma fé de matriz africana. Quando a violência contra uma religião extrapola o ódio apenas da crença e assume um olhar de demonização por ser originário de descendentes africanos, à intolerância religiosa soma-se o racismo religioso. O que agrava ainda mais a violência e o problema torna-se questão racial e não apenas religioso.

Quando se cria o dia da consciência negra, da mulher negra, dos sacerdotes de matrizes africanas, não está dando privilégios a um grupo. Pelo contrário. Está reconhecendo que esse grupo sofre discriminação e violência e esse problema precisa ser sanado. As datas nada mais são do que períodos em que a sociedade se imerge (ou pelo menos deveria) nos problemas sociais que esse grupo enfrenta de forma a buscar soluções.

A instituição de dia do sacerdote e sacerdotisa de matrizes africanas mostra que o Estado está reconhecendo que esse grupo sofre violência e que precisa reconhecer sua existência, seus problemas e a discriminação para busca soluções para resolver esse problema social.

Casos de intolerância religiosa no Brasil

Em 2018, o Disque 100 registrou 120 casos de intolerância religiosa no país. Acredita-se que os dados reais podem ser superiores a esse, pois muitas vítimas desse crime não denunciam por medo ou desconhecimento de seus direitos.

Em 44% dos casos de discriminação, as vítimas não informaram a religião que professavam. Contudo, as de matriz africana são as mais atingidas. Ao todo, 16,19% das queixas foram feitas por seguidores da Umbanda. Os candomblecistas respondem por 9,52% dos registros, e outros 6,19% são de outros credos africanos.

Perfil das vítimas

Segundo dados do Ministério dos Direitos Humanos, a maior parte das vítimas são mulheres (41,18%). Entre as vítimas, 15,06% deles são jovens: têm entre 25 e 30 anos de idade.

Nem mesmo crianças e adolescentes estão livres desse preconceito. Em 2018, 13 jovens já sofreram com a discriminação.

Além disso, essas agressões costumam partir de pessoas próximas às vítimas: 26,77% eram vizinhos e 5,12% eram irmãos. Por isso, a maior parte dos casos de violência (33,3%) ocorrem dentro da casa da vítima e 11,1% acontecem na rua. Esse dado também justifica a subnotificação da discriminação. Assim como em casos de violência doméstica em que a vítima não quer denunciar seu parceiro, a discriminação religiosa tem maior parte das agressões por pessoas próximas, o que inibe a denúncia.

Esses dados são esclarecedores para que o Estado tome providências e formule políticas. De posse desses dados, muitas medidas podem ser tomadas. Basta ter vontade política.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s